O sinal

Na solidão de nossa bolha automotiva, o sinal de trânsito é uma praça. Carregadores de celular, água mineral, peças de carro, serviços inúteis, limpador de para-brisa, água explode no vidro, ofertam o serviço, na mais feroz das recusas. O ato de negar torna-se mero ritual, após a negação vem a oferta, duas moedas da caixinha…

A tornearia

O torneiro e suas máquinas, seus ferros, sua tornearia, não é mecânico, é criador, lá não há prazo, há serviço bem feito, artista do ferro e do fogo, da prensa, do torno, arte de Ogum, Angra, Prometeu, dos hominídeos, da combustão, da explosão de estrelas mortas, pra ele não importa, chegou um cliente, gira, abaixa, fura,…

Afinal, devemos temer a violência?

Diariamente nos noticiários, nas conversas entre amigos, nos sermões familiares, em nossos pensamentos, ecoa unânime uma mesma preocupação: a violência. Uma pesquisa realizada esse ano pelo Datafolha revela que o maior medo entre os jovens brasileiros é a morte de parentes. Mas afinal, devemos temer a violência? Somos seres violentos? Talvez eruditos de outros séculos…

Sexta ela não foi, domingo ela não vai

Há momentos em que não se posicionar é tomar uma posição, assim estive até então. Enquanto o debate político for pautado pela discussão de projetos de governo, não de nação, não se manifestar é um chamado à reflexão. Parece que todas as nossas aspirações ficaram limitadas a esse ou aquele projeto de governo. O Estado…

Marina e Dilma: entre Rousseau e Maquiavel

Antes de mais nada quero frisar que ainda não tenho nenhuma posição em relação a essas eleições. E que acima de tudo sou um crítico do anti-petismo de argumentos preguiçosos tão comum hoje em dia. Pois bem, dito isso, gostaria de comentar certas análises acerca do crescimento de Marina Silva nas pesquisas, e a incapacidade…