Volta chicote!

— Meu lombo sarou – comenta o amigo. — Ainda dói minha alma, dói minha vista ampliada pela falta de viseiras – responde o outro. — Mas que absurdo, sem chicote ou arreio como vamos seguir? — Diziam que seríamos felizes, sem os cavaleiros, sem as carroças, mas que despautério, ser feliz sem um peso…

O sinal

Na solidão de nossa bolha automotiva, o sinal de trânsito é uma praça. Carregadores de celular, água mineral, peças de carro, serviços inúteis, limpador de para-brisa, água explode no vidro, ofertam o serviço, na mais feroz das recusas. O ato de negar torna-se mero ritual, após a negação vem a oferta, duas moedas da caixinha…

A tornearia

O torneiro e suas máquinas, seus ferros, sua tornearia, não é mecânico, é criador, lá não há prazo, há serviço bem feito, artista do ferro e do fogo, da prensa, do torno, arte de Ogum, Angra, Prometeu, dos hominídeos, da combustão, da explosão de estrelas mortas, pra ele não importa, chegou um cliente, gira, abaixa, fura,…

Madrugada

Sempre estudei no período da tarde, a conveniência da mensalidade mais barata se aliava com minha dificuldade em dormir cedo. Quando criança não havia televisão em meu quarto, tampouco haviam computadores pessoais disponíveis naquela época. Quando os brinquedos não satisfaziam mais era a janela meu maior entretenimento. Tarde da noite, todos dormindo, era a ela…